O futuro dos grupos com escândalos de bullying – comprovados ou não

Esse é um assunto que eu queria trazer pro blog desde quando as primeiras notícias saíram, mas foi uma onda tão grande de acusações falsas (algumas até descabidas) que eu preferi deixar pra lá. Fora que é um assunto extremamente cansativo e pesquisar sobre ele tava me fazendo mal. 

Depois de alguns meses com as controvérsias da Soojin, do (G)I-DLE, rolando, a Cube dando a chance da menina se defender ao mesmo tempo que não prestou nenhum tipo de apoio emocional a ambos os lados, resolveram que o grupo promoveria um novo single promocional pra divulgar a integração ao aplicativo de mensagens idol-fã UNIVERSE. Só que deixaram a Soojin de fora. 

Com essa nova informação que, querendo ou não, é consequência de toda a polêmica, resolvi que traria o assunto de volta. Sem me cobrar tanto em impor um tom jornalístico e policial na coisa toda, cavando a raiz do problema e traçando uma linha do tempo porque isso é exaustivo, mas imprimindo a minha sincera opinião sobre o futuro desses grupos que se envolveram em situações parecidas, estejam provadas ou não. É bom deixar claro também que eu não compactuo com qualquer tipo de violência. Esse post tem o caráter apenas de discutir o que se espera desses grupos futuramente. 

Como já é de senso comum, o assunto “bullying” tomou forma com o vazamento de maus tratos e violência por parte das irmãs Lee, que jogavam na seleção de vôlei Pink Spiders. Elas eram ídolos da Coreia do Sul e a notícia foi um baque, criando uma reação em cadeia que envolveu nomes muito importantes do esporte e do entretenimento. É aqui que se encaixam os dois primeiros grupos desse post e que fazem bastante barulho por lá. 

Soojin e o (G)I-DLE

O lance da Soojin surgiu em fevereiro e foi um dos primeiros nomes ligados à indústria musical coreana em pauta. Seu grupo, o (G)I-DLE, tinha terminado as promoções do single HWAA a pouco tempo, single esse que faz parte do álbum mais vendido delas na Coreia do Sul até hoje: mais de 50k a mais que seu antecessor. HWAA também é a música delas mais bem posicionada nos charts coreanos, com peak de #4 no Gaon, além de acumular o maior número de vitórias de um girlgroup fora da big3 desde 2017, quando o Mamamoo angariou sete prêmios musicais com Yes I Am.

Até aí, já dá pra perceber que 2021 reservava muita coisa boa pro (G)I-DLE. Desde o debut, elas conquistaram o público internacional com o som diferenciado e bem apelativo, ocidentalmente falando. Mas é como se o grupo estivesse alcançando seu auge musical, principalmente em solo doméstico e, querendo ou não, são conquistas muito importantes. Primeiro: estamos falando do maior fenômeno fora do circuito SM-YG-JYPE atualmente, o que não é nem comparável com as veteranas de empresa desbancando o SNSD e o 2NE1 ao mesmo tempo no Inkigayo em 2014 (é icônico, mas limitado a um nicho). 

Segundo que o fato da Soyeon ser a maior compositora dentro de girlgroups, atuais ou não, trouxe um diferencial para o (G)I-DLE. Logo na estreia, com Latata, o grupo conseguiu chamar atenção comercial, combinado ao fato da Soyeon já ser bem famosa no circuito do Unpretty Rapstar, para os fãs do Produce 101 e por ter debutado solo um ano antes. Não é errado dizer que, graças a ela, o (G)I-DLE obteve reconhecimento internacional, a ponto de representarem duas personagens do girlgroup fictício do League of Legends, o K/DA.

Não é da Soyeon que estamos falando, mas foi importante dar um pano de fundo pra entender a dimensão da controvérsia. Se o (G)I-DLE vinha numa crescente furiosa desde o debut em 2018, as acusações contra a Soojin quebraram isso de tal maneira que pode ter respingado para o grupo todo. Antes das notícias estourarem, a Soojin trabalhava numa campanha de sucesso para a marca de cosméticos coreana Peripera, que começou tão rápido quanto terminou; uma semana depois, a marca já tirava os cartazes da integrante das suas lojas. 

Pra quem não sabe, a Soojin foi acusada de praticar bullying contra uma colega de classe após um relato anônimo surgir na internet dizendo que ela bateu numa pessoa e, em seguida, ordenou que essa pessoa fosse tratada feito uma estranha pelos demais colegas. Esse foi o gancho para que outros relatos de pessoas que estudaram com a Soojin aparecessem, inclusive depoimentos da atriz Seo Shinae. Na época, como haviam muitas acusações ao mesmo tempo, os coreanos tomaram uma posição neutra em relação a tudo isso, para que mais provas pudessem surgir.

De todos os casos de bullying que surgiram desde fevereiro desse ano, o da Soojin é que mais permanece vivo na mente das pessoas até hoje, seja pela fama do grupo ou pela constante exposição que o caso sofreu. Desde então, a Cube procurou dar voz a Soojin, para que ela pudesse esclarecer tudo a sua maneira, mas eu percebi que, ao longo do tempo, a empresa meio que “pulou fora”. Enquanto a Soojin promovia encontros com as vítimas para pedir desculpas por qualquer coisa, assumindo os riscos de sair do grupo se tudo fosse verdade, a Cube largou o caso de mão, pelo menos oficialmente. Agora, eles estão mais preocupados em limpar a imagem com o debut de um novo grupo, o LIGHTSUM.

Sobre o (G)I-DLE, no próximo dia 29 é a estreia do single promocional com a UNIVERSE, chamado Last Dance. É uma música que já estava pronta desde fevereiro, mas com toda essa polêmica, resolveram segurar até o momento mais oportuno, e aproveitaram pra editar/remixar/regravar partes do comeback como um todo, como música, fotos e MV, sem a presença da Soojin. É a primeira vez que o (G)I-DLE promove como um quinteto desde quando a Soojin anunciou um hiato e, sendo a Cube, ela vai ficar na geladeira por um bom tempo, esperando as promoções desse single terminarem e vendo suas irmãs mais novas debutarem. 

Acho provável a Soojin acabar saindo do grupo, mas não considero o disband do (G)I-DLE uma possibilidade. Todavia, os comebacks podem ficar mais espaçados por um bom tempo, dando a chance da Cube de investir no seu mais novo produto. Ou não, essa empresa é bem imprevisível e o novo grupo pode se tornar um projeto com ares de CLC. Mas é inegável que o (G)I-DLE é a marca mais forte da Cube hoje, entre homens e mulheres, e a mais rentável também. 

Conclusão: Se a Soojin tiver que sair, ela vai, mas acredito que não leve o grupo junto. 

APRIL

Eu não diria que a situação do APRIL é melhor ou pior, até porque eu acho que não tem cabimento comparar sofrimento e/ou violência dessa forma. É um caso mais complicado por conta dos desenrolares e das pessoas envolvidas, e de como tudo se transformou num grande episódio de Casos de Família, com o grupo, outros funcionários e grupos da empresa, a própria empresa, a vítima, os familiares da vítima e quem mais quisesse dar sua canetada na história se estapeando através de notícias, posts nas redes sociais e comunicados oficiais.

O último comeback do APRIL que eu acompanhei foi com a maravilhosa LALALILALA, que teve sua menção honrosa no meu ranking do ano passado. O grupo passou por essa seção de amadurecimento a rodo de grupos periféricos e adeptos ao white aegyo e conseguiu entregar um EP consistente e de qualidade, o Da Capo, sendo que ele foi a porta de abertura para que elas tivessem mais reconhecimento agora do que em 5 anos de carreira. Em seguida, o mini de verão, Hello Summer, quebrou o recorde do seu antecessor, vendendo incríveis 14k de cópias.

Mas, antes disso, a Naeun guardava consigo um pouco do sucesso que o grupo viria a ter, protagonizando alguns dramas e trilhas sonoras e, logo depois, sendo convidada a modelar para algumas marcas famosas ao longo dos anos (entre elas a Peripera, se provando ser um grande imã de polêmicas). Junto a isso, a Naeun também ficou um bom tempo servindo de MC para o Inkigayo, sendo bem elogiada pelo seu carisma. E, de alguma forma, com esse último fato ela preparou o terreno para o barulho que LALALILALA faria na Coreia do Sul meses depois. 

A gente precisa entender também que não é a primeira vez que o APRIL se envolve em uma controvérsia do tipo. Em junho do ano passado, durante a divulgação dos teasers de Now or Never, uma anônima acusou a Naeun de bullying no ensino fundamental, o que foi desmentido pela DSP e, dias depois, pela própria autora da postagem. Isso quase resultou no afastamento da Naeun das promoções, se não fosse a limpeza de imagem que fizeram pra ela sem perceberem. Guardem essa informação.

Pulando pra fevereiro de 2021, entre tantas notícias de bullying de famosos, uma pessoa que se dizia ser irmão mais novo da ex-integrante do APRIL, a Hyunjoo, surgiu com um post informando que a irmã sofria bullying de todas, TODAS as membros do grupo, incluindo outra ex-APRIL que todos conhecemos bem: a Somin, atual KARD. E o negócio foi tão pesado que a Hyunjoo cogitou suicídio antes de ser expulsa pela DSP e coagida a dizer que sua saída era pra se dedicar à carreira de atriz. Além do relato específico, a pessoa postou provas de que estava falando a verdade, como documentos pessoais da família. 

Lembrando que duas membros do APRIL, a Rachel e a Chaekyung, se juntaram ao grupo após a saída da Hyunjoo, o que ficou explícito num post tardio de uma amiga dela, informando que as duas não têm nada a ver com isso. Mas as demais integrantes estão envolvidas de tal forma que logo o caso tomou proporções apelativas com o público, bem como novos desdobramentos. Enquanto fãs queimavam mercadorias relacionadas ao grupo, outras denúncias anônimas contra as integrantes surgiam, mas não só isso; pessoas que também tinham algo a dizer a favor de alguém do APRIL passou a ser comum. 

Dois episódios se mostraram mais notáveis nisso tudo. O primeiro é a nota oficial da DSP, alegando que, na verdade, as vítimas são as meninas do APRIL. E, quando você vive um acontecimento de anos onde duas irmãs tramaram a queda de um dos maiores girlgroups da década retrasada/passada assim como aconteceu com o T-ARA, não fica difícil duvidar dessa possibilidade. Mas muitos pontos dessa nota da DSP não batem com fotos e vídeos da época em que a Hyunjoo fazia parte do APRIL, como o fato dela estar sempre isolada, constrangida e até chorosa em cima de um palco promovendo (que foram comprovados por uma carta da própria Hyunjoo). 

O segundo episódio foi um ex-membro do AJAX surgir na internet pra defender as integrantes, se dizendo “muito chateado com a repercussão que o caso tomou” e que amava muito as suas irmãzinhas do APRIL. Mas, como foi bem observado pelas pessoas que acompanharam o caso, tanto esse post quanto a nota da empresa possuem um tom muito manipulador, como se a culpa de tudo que aconteceu fosse da própria Hyunjoo. Na minha opinião, essas duas manifestações foram o estopim pra sujar ainda mais a imagem do APRIL perante a mídia. Fora que muitos internautas teorizaram que esse cara do AJAX e a Naeun poderiam estar namorando, através de fotos e stories postados pelos dois.

Até hoje, o caso não foi totalmente esclarecido, mas acho que nem precisa. O APRIL já não tinha muito apelo na Coreia do Sul e essas acusações terminaram de enterrar qualquer chance que o grupo tinha de se levantar no mercado interno, somado ao fato das declarações dúbias da DSP. Aliás, a própria DSP é uma empresa que perdeu muita relevância ao longo dos anos e não consegue segurar um bom grupo desde o Rainbow, o que chega a ser patético por ter sido a casa de muita gente importante, como o Sechs Kies, o Fin.K.L e o KARA. 

Conclusão: O APRIL morreu e a DSP só piorou tudo com a falta de consistência em comandar o caso, expondo demais ambos os lados (inclusive não deixando que a Hyunjoo termine o contrato). 

Chorong e o Apink

Esse é o mais recente da lista e um dos motivos que me fez voltar a escrever esse post. Como sabemos, o Apink fez 10 anos de carreira, quebrando todas as expectativas que qualquer pessoa que acompanhe kpop há algum tempo tinha em relação a elas. Grandes precurssoras do white aegyo moderno, o Apink soube se manter bem na indústria com um conceito praticamente imutável, influenciando outros grupos que surgiram depois e fazendo um belo contraponto com a crescente midtempo sensual produzida pelo Brave Brothers na época.

O auge do Apink durante sua era delicada e “feminina” foi a música NoNoNo, de 2013, seu maior sucesso comercial até hoje. E elas se mantiveram assim por muito tempo, o que acabou virando obsoleto e quase sem demanda. Isso ocasionou o grande revamp do grupo em 2018, quando elas lançaram I’m so sick e surpreenderam absolutamente todo mundo. Desde então, elas continuam nessa linha, sendo, pra mim, um dos grupos mais aguardados durante o ano porque, a cada lançamento, a sonoridade soa mais interessante (Duhmdurum ocupou com louvor o meu top 3 de 2020).

Poucos dias antes do aniversário oficial do Apink, uma pessoa denominada como A fez uma acusação a respeito de comportamentos violentos da Chorong, alegando ter apanhado depois de ter sorrido pra ela na rua em 2008. Pra quem conhece minimamente a Chorong, sabe que ela tem uma personalidade bem diferente, quase oposta, ao que foi descrito, mas essa pessoa se disse tão traumatizada que exigia a aposentadoria da Chorong da indústria do entretenimento, informando ainda que, na época do debut do Apink, havia mandado uma mensagem particular pra ela, mas acabou sendo processada pela Plan M pela tentativa de espalhar informações falsas. 

Além disso, A também revelou ter fotos dela bebendo com amigos quando ela tinha apenas 17 anos. Ironicamente, a Chorong é garota-propaganda da marca de soju Siwon e, após a exposição das fotos, a empresa resolveu suspender a parceria. Sem sinais de manipulação digital ou deep fake, a Chorong veio a público esclarecer que as fotos eram reais e se desculpou pela conduta “adolescente e insensata”, mas seguiu o conselho da Plan M em prosseguir com um boletim de ocorrência contra as acusações de violência. Isso não parou A, que relatou ter um áudio de uma conversa com a Chorong a respeito do acontecimento de 2008. 

Pelo conteúdo do áudio, a Chorong diz que o motivo do tapa foi por conta de ciúmes de um garoto que, talvez, ambas gostavam na época, mas que o impacto das memórias desse dia pudessem ter relevâncias diferentes pra cada uma. Enquanto a Chorong, supostamente, estivesse vivendo plena com uma carreira que deu muito certo, A se sentia traumatizada ao lembrar dos tapas e chutes que recebeu por conta de ciúmes, pintando a Chorong como aquelas bullies populares do colégio. Segundo a Plan M, o áudio é falso e altamente montado. 

Passaram-se alguns dias e o caso não foi movimentado, apenas sabemos que uma amiga em comum surgiu em defesa da Chorong e o processo contra A continua rolando. O Apink fez seu comeback especial de 10 anos no último dia 19 e o grupo estava completo, diferente do (G)I-DLE que teve seu próximo single totalmente modificado pra excluir a Soojin. Entre a fanbase, o assunto também deu uma amornada, e acho que isso se deve muito à sonoridade e imagem que o Apink trouxe pra Thank You, relembrando com carinho de todas as conquistas do grupo e mexendo com o emocional dos fãs. 

Conclusão: A Plan M está confiante na inocência da Chorong, então o Apink continua seguro, embora eu não acredite 100% que teremos algum lançamento a mais do grupo esse ano. 

Quero lembrar mais uma vez (caso tenha passado batido) que eu prefiro olhar esses casos sem a lente de fã e acreditar na vítima (obviamente sem xingar ninguém), porque é melhor quebrar minha cara com acusações falsas do que defender um idol cegamente e me lascar depois. Aliás, esse é meu conselho: não botem a mão no fogo por ninguém, muito menos por gente famosa. A maioria das declarações de perdão dos idols são fabricadas por uma equipe de marketing e social media, dificilmente nós vamos descobrir o que se passa na cabeça deles ou até mesmo a história completa.

Portanto, tudo que eu escrevi aqui são coisas que já foram postadas por diversos portais de notícia e a minha opinião. Dessa forma, estou passível de erro por conta dos comentários que eu fiz, então vocês não precisam me xingar, mandar eu me matar, até porque isso diz mais sobre vocês do que sobre mim. Não é?

Acompanhe o AYO GG nas redes sociais:

Facebook | Twitter | Curious Cat | Instagram

Se você gosta muito do AYO GG e quiser transferir uns trocados pelo Pix, utilize a chave rafaellasolla@hotmail.com.

Autor: Rafa

26 anos, de São Paulo e ativa nessa vida de pop asiático há mais tempo do que eu gostaria.

4 pensamentos

  1. A CUBE sempre faz isso, abandonar seus idols, mas ainda é surpreendente a CUBE não ter chutado a Soojin, pq ela sempre faz isso (Talvez por achar que já reversão e o (G)I-dle ser o mais lucrativo)

    Mas ainda acho que ela possa ficar, mas a fama dela será bem abalada, sofrerá hate infernal até perder de vista

    Curtido por 3 pessoas

  2. Eu sinceramente não acredito em nada ,disso antes de uma investigação real sobre tudo,não da para ficar defendendk idol e muito menos pessoas que não conhecemos o caráter,que a verdade prevaleça contudo isso.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s